Tag Archives: wine

:: O Mapa do Vinho

24 set

Por RODRIGO VIDAL FERRAZ

https://rodrigovf.wordpress.com

24 de setembro de 2009

Descobri, recentemente, um site criado pela revista Veja que se chama o mapa do vinho. O site apresenta os principais países e regiões produtores de vinho.

Não conheço a matéria suficientemente bem para julgar tudo que está escrito no site, mas a forma com que o conteúdo é mostrado não deixa dúvidas. Não tem muito texto, nem muita foto, mas tem bastante informação legal.

Por exemplo, a Itália é o maior produtor de vinho atualmente. O Brasil é o 15¤!

Quando escrevi o post sobre o consumo de vinho no planeta Terra, os dados que eu havia encontrado eram de 2006 e a França ainda era o país que mais produzia vinho no mundo. Hoje a França ocupa o segundo lugar do ranking.

Enfim, vale a pena dar uma olhada:
http://veja.abril.com.br/especiais_online/o_mapa_do_vinho/index.html

vinho

Anúncios

:: Bières pour amateurs de vins

1 set

Par François Chartier

http://www.cyberpresse.ca/vivre/cuisine/gastronomie/

Publié le 11 août 2009 à 11h17

Les amateurs de vins auraient intérêt à élargir leurs horizons vers les bières de dégustation des quatre coins du monde, sans oublier celles élaborées avec maestria au Québec. Ayant été initié aux vins à travers le monde de la bière, au milieu des années 80, je n’ai jamais perdu le goût de cette boisson aux saveurs plurielles. Au fil des dernières années, j’ai remarqué une importante évolution qualitative des bières du monde. Certaines cuvées peuvent rivaliser avec d’excellents portos, par exemple. Alors, le temps est venu d’oser servir la bière à table pendant vos repas en alternant avec le vin.

Débutons l’aventure harmonique brassicole avec la nouvelle venue à la SAQ, nous arrivant d’Oregon, qu’est la pulpeuse blonde, mais pratiquement rousse (!) Rogue «Dead Guy Ale», Bière forte blonde, Oregon Brewing, États-Unis (3,65$; 355 ml; SAQ-11106759). Avec seulement 6,6% d’alcool, cette bière de haute fermentation, comme le sont toutes les autres recommandées dans cette chronique, se montre au nez très aromatique, florale et safranée, avec une pointe maltée discrète et une présence houblonnée importante.

99922-avec-nouvelle-rogue-dead-guy-aloe-harmonie-sera-rendez-vous-avec-salade-carottes-prealablement-blanchies-servie-accompagnement-fromage-pate-demi-ferme-comme-iberville-grondines

En bouche, elle est souple, presque ronde, aux courbes sensuelles, dotée d’une amertume modérée, harmonieuse au possible et persistante. Une référence désaltérante tout en étant soutenue, marquée par une amertume en finale qui n’est pas sans rappeler celle du safran! Servie plus fraîche que froide, dans un verre à vin évasé, elle fait sensation sur un pot-au-feu de poissons et coquillages parfumés au safran.

L’harmonie sera aussi au rendez-vous avec une salade de carottes préalablement blanchies – car la cuisson des carottes transforme leur goût anisé qui est présent à cru en un goût plus floral de violette, proche parent du safran, tout en demeurant un brin anisé – servie en accompagnement d’un fromage à pâte demi-ferme, comme le D’Iberville ou le Grondines, deux joyaux de fromagers du Québec.

Toujours chez les nouvelles bières offertes depuis peu à la SAQ, ne manquez pas de découvrir la sulfureuse Midnight Sun «Espresso Stout», Bière forte stout, Yukon Brewing Company, Canada (3,45$; 341 ml; SAQ-11106767). Une bière noire, à 6,1% d’alcool, dont l’élaboration a été complétée avec des grains de café. Difficile d’être plus torréfiée! Le café est omniprésent, sans être écoeurant. Au contraire, il apporte à cette cuvée canadienne plutôt souple et coulante un intrigant parfum et une douce amertume en fin de bouche. Cuisinez-y, sur le grill, un saumon laqué avec un mélange de sirop d’érable et de bière noire. Le goût sucré et les parfums de l’érable – ce dernier possède un profil aromatique de la même famille moléculaire que la bière noire – et les saveurs tout comme l’amertume de la bière noire seront en parfaite osmose.

Vous pourriez remplacer le saumon par une pièce de boeuf, laquée avec la même sauce érable-bière noire, et l’accord résonnerait dans les mêmes tonalités. Enfin, vous pourriez changer de sauce et préparer une marinade au café noir, tant pour le saumon que pour le boeuf, et vous feriez résonner avec ce stout, servi à 14 degrés, de nouveau le «la» du diapason!

Pour partir vers un horizon de saveurs complètement différent, jouant plus dans l’univers du fruité, un brin épicé, optez pour la très classique et ragoûtante Aventinus «Wheat-Doppelbock», Bière forte rousse, Schneider Weiss, Allemagne (3,50$; 500 ml; SAQ-366088). Je n’avais pas dégusté cette double rousse allemande, à 8,2% d’alcool, depuis trop longtemps. Un régal! Vous serez conquis par ses arômes fruités de banane et de prune, ainsi que par ses tonalités épicées, rappelant le quatre-épices, dont le clou de girofle. Sa bouche presque sucrée, voluptueuse et caressante, à l’acidité discrète et sans aucune amertume, séduira les amateurs de vin.

Une grande charmeuse à se mettre sous la dent avec des plats dominés soit par des aliments complémentaires au clou de girofle (basilic, betterave rouge, romarin, vanille, viandes rouges fortement grillées), soit par les ingrédients partageant les mêmes composés volatils que la banane (clou de girofle, fromage, pomme, poire, datte, figue séchée). Donc, préparez soit une salade de betteraves rouges à la vinaigrette à la vanille, soit une assiette de fromage à croûte fleurie accompagné d’une salade de pomme, poire et figue, vinaigrette au quatre-épices.

Enfin, une de mes découvertes de l’heure, la Paradisiac Cuivrée II, Bière forte «India Pale Ale», Le Paradis de la Bière, Montréal (9,99$ les 6; offerte uniquement au Super Marché Rahman – 151, avenue Laurier Ouest, à Montréal). Brassée par la microbrasserie Au Maître-Brasseur, pour ce dépanneur, qui est l’un des hauts lieux de la bière à Montréal, cette India Pale Ale à 7,5% d’alcool est tout simplement parfaite!

Pure, expressive, fraîche, noblement amère et soutenue, subtilement maltée, tout en étant aussi très houblonnée, épicée et persistante à souhait, digeste comme pas une et intrigante, voilà une superbe bière artisanale qui fera sensation à table, servie à plus ou moins 12 degrés, dans un grand verre évasé, avec vos recettes favorites où domine le gingembre, tout comme avec les aliments complémentaires à ce dernier.

Allez-y soit d’un poisson blanc en papillote parfumé à la cardamome, soit d’un sauté de légumes au curcuma ou encore de filets de porc à la salsa de mangue et de poivre de Guinée. Vous vivrez ainsi en direct le pouvoir d’attraction entre les saveurs de cette bière et les aliments dominants de ces recettes.

François Chartier est l’auteur du nouveau livre Papilles et Molécules – La science aromatique des aliments et des vins, aux Éditions La Presse. On peut lui envoyer des questions sur le blogue internet http://www.francoischartier.ca ou par la poste au 7, rue Saint-Jacques, Montréal, H2Y 1K9.

:: Vinhos Franceses

23 jul

Por RODRIGO VIDAL FERRAZ

https://rodrigovf.wordpress.com

23 de julho de 2009

Fonte: Academia do Vinho

O País

Não é um exagero classificar a França como o melhor país vinícola do mundo. Nenhum país possui tantos vinhos de excepcional qualidade. Ela possui cerca de uma dezena de grandes regiões vinícolas demarcadas de maior destaque, algumas delas subdivididas em até mais de vinte regiões menores.

Bordeaux é, sem dúvida, a região vinícola francesa que mais se destaca por possuir o maior número de vinhos excepcionais (os famosos Grand Cru, Premier Cru, Deuxième Cru, etc.) muitos deles atingindo preços estra-tosféricos. Suas sub-regiões mais importantes são Médoc, Graves, Pomerol e Saint Emilion para os tintos, e Sauternes-Barsac, para os brancos.

Bourgogne é a segunda região mais importante e possui sub-regiões, das quais as mais famosas são: Côtes de Beaunne, Côte de Nuits, Côte Chalonnaise, Mâconnais e Beaujolais.

Outras regiões de destaque são: Champagne, berço dos maravilhosos espumantes; Alsace, conhecida pelos seus brancos semelhantes aos alemães; Val de Loire, famosa pelos seus rosés e brancos; Côtes du Rhône, com as suas sub-regiões Hermitage, Crozes-Hermitage e Châteauneuf-du-Pape com excelentes tintos.

Provence, Languedoc, Roussillon e outras regiões completam a incrível legião de vinhos franceses de qualidade.

Além dos vinhos dessas regiões demarcadas, existe ainda uma enorme quantidade de vinhos regionais menores (os vins de pays) e os vinhos de mesa de qualidade inferior (os vins de table).

Perdidos nesse mar de vinhos, para conhecermos verdadeiramente os vinhos da França não nos resta alternativa senão provar alguns representantes de cada uma das suas regiões. Só assim é possível compreender a diversidade e a complexidade dos vinhos franceses. Não nos resta alternativa senão a de provar alguns representantes de cada uma dessas regiões.

Regiões

A França possui as seguintes regiões vinícolas:

  • Alsace
  • Bordeaux
  • Bourgogne
  • Champagne
  • Corse
  • Côtes du Rhône
  • Jura
  • L`Est
  • Languedoc-Roussillon
  • Normandie
  • Provence
  • Savoie
  • Sud-Ouest
  • Val de Loire

reg_fr_m

Classificação dos Vinhos Franceses

VIN DE TABLE

Vinho de mesa

Constituem a maior parcela de vinhos da França: 55% da produção total. No entanto, são os vinhos de menor qualidade e não podem conter no rótulo o nome de nenhuma região, sub-região ou vinhedo específico, mas apenas a expressão Vin de France.

VIN DE PAYS

Vinhos da Terra ou da Região

São de qualidade superior aos Vin de Table, elaborados segundo regras bem restritas e provenientes de regiões não AOC pequenas, como departamentos ou províncias, distritos, comunas ou cidades, dos quais recebem a denominação. Existem 95 diferentes regiões de vin de pays espalhadas por todo o país, mas a maioria (85%) é proveniente do sul do país, especialmente a região da costa mediterrânea, denominada Midi. Correspondem aproximadamente a 15% da produção total dos vinhos francêses.

APELLATION DE ORIGINE VIN DÉLIMITÉ DE QUALITÉ SUPÉRIEURE (A.O.V.D.Q.S.)

Vinhos Delimitados de Qualidade Superior

Provêm de regiões vinícolas também delimitadas, mas de menor prestígio do que as AOC Constituem o segundo grau na hierarquia de qualidade e representam 1% dos vinhos franceses.

APELLATION DE ORIGINE CONTRÔLÉE (A.O.C.)

Vinhos de Denominação de Origem Controlada

São os vinhos de melhor qualidade, provenientes de regiões delimitadas, denominadas AOC, dentro das quais existem sub-regiões também AOC, cada uma com sua classificação hierárquica para seus vinhos. Existem cerca de 400 AOC e delas provêm os melhores vinhos da França que, no entanto, correspondem a apenas 29% da produção total do país Algumas das mais de 400 A.O.C. utilizam a denominação Cru para os seus melhores vinhos. Os melhores exemplos são o Grand Cru, Premier Cru, Deuxième Cru, etc. e o Cru Bourgeois, em Bordeaux, e o Premier Cru, Grand Cru e o Grand Vin na Bourgogne.

VINS MOUSSEUX ou CRÉMANTS

Vinhos espumantes, como o Champagne. Geralmente os Crémants possuem menos espuma do que os Mousseux.

VINS PÉTILLANTS

Vinhos artificialmente espumantes, isto é, gaseificados depois de prontos.

VINS DOUX NATURELS (VINS LIQUOREUX)

Vinhos de sobremesa, doces, cujo açúcar é natural das uvas muito maduras ou mesmo passificadas e extremamente ricas em açúcar. A fermentação não chega a transformar em álcooltodo esse açúcar que, então, permanece no vinho.

VINS DE LIQUEUR

Vinhos fortificados, isto é, mais fortes, com maior teor de álcool que foi adicionado durante ou depois da fermentação.

:: Vinhos Italianos

25 jun

Por RODRIGO VIDAL FERRAZ

https://rodrigovf.wordpress.com

25 de junho de 2009

Fonte: Academia do Vinho

O País

Com razão os gregos na antigüidade denominavam a Itália Enotria (terra do vinho). Ela produz, como a França, um enorme conjunto de vinhos e com sua vizinha vem se alternando, de tempos em tempos, na posição de maior produtor e consumidor mundial de vinhos.

Ainda que o número de grandes vinhos da Itália não seja tão numeroso como na França, a ótima qualidade de muitos de seus vinhos é inquestionável.

Para entender a diversidade de regiões da Itália, estas são grupadas segundo sua localização geográfica, o que responde por uma certa homogeneidade de características comuns, resultado da latitude (norte frio e sul quente) altitude (que reforça as tendencias da latitude) e a influência do mar (regiões costeiras ou continentais)

Em cada uma das macro-regiões assim definidas encontraremos diversas regiões, que por suas vez abrigam dezenas de DOCs (Denominações de Origem)

Regiões

Itália possui as seguintes regiões vinícolas:

  • Centro
  • Ilhas
  • Nordeste
  • Noroeste
  • Sul

reg_it_m

Classificação dos Vinhos Italianos

VINO DA TAVOLA

São vinhos de qualidade inferior, de qualquer procedência geográfica e não podem ter no rótulo o nome da uva, nem a safra, nem a região. Constituem cerca de 80% dos vinhos da Itália. Existem alguns poucos Vinos da Tavola de ótimo nível, por não se enquadrarem nas normas das DOC e DOCG.

INDICAZIONE GEOGRAFICA TIPICA (IGT)

Essa denominação foi instituida a partir de 1992 e é aplicada em cerca de 150 vinho de mesa elaborados em regiões geográficas específicas (uma província, uma comuna ou parte delas, tais como, uma colina, um vale, etc.).

No rótulo podem constar o nome da uva, a safra, a região e o tipo de vinho (frizzante, amabile, novello, etc.)

VINI TIPICI

Equivale ao Vin de Pays da França e, apesar de criada em 1989, continua sem uma normatização precisa. Pretende-se aplicar essa designação a vinhos de mesa diferenciados, com tipologia definida.

Atualmente, esses vinhos são incluídos na contagem dos Vini di Tavola, mas espera-se que venham a constituir cerca de 40% dos vinhos italianos.

DENOMINAZIONE DI ORIGINE CONTROLLATA (DOC)

Qualificação criada em 1963, é atribuída aos vinhos provenientes de cerca de 300 regiões vinícolas delimitadas que podem ser uma pequena área, uma província ou uma área geográfica ainda maior.

Sua quantificação é complicada, pois algumas regiões, como Valle d’Aosta e Chianti, possuem diversos vinhos de distritos diferentes, mas são contadas como uma única DOC.

Apenas cerca de 15% dos vinhos italianos pertencem às DOCs e são elaborados com tipos específicos de uvas para cada região e por métodos específicos de vinificação. Cerca de 850 vinhos possuem a designação DOC e, junto com os DOCG, representam apenas cerca de 20% dos vinhos italianos. Em algumas DOC existem sub-classificações, tais como: Riserva ou Vecchio, para vinhos envelhecidos maior tempo em madeira; Superiore, para vinhos maior teor alcoólico ou maior período de envelhecimento.

DENOMINAZIONE DI ORIGINE CONTROLLATA E GARANTITA – DOCG

Classificação criada em 1982, abrange os melhores vinhos da Itália. É atribuída aos vinhos de quatorze DOC: Barbaresco, Barolo, Gattinara e Asti, no Piemonte; Franciacorta, na Lombardia; Brunello de Montalcino, Carmigiano, Chianti, Vino Nobile di Montepulciano e Vernaccia di San Gimignano, na Toscana; Albana di Romagna (na Emilia Romagna); Montefalco Sagrantino e Torgiano Rossso Riserva, na Umbria; Taurasi (na Campania)

OS FORA-DA-LEI

Alguns vinhos italianos, considerados entre os melhores do país e do mundo, classificam-se apenas como Vino da Tavola ou IGT, por não se enquadrarem nas normas das DOC e DOCG (tipos de uva, métodos de vinificação, etc.) e, por isso, são apelidados de “os fora da lei”. Na Toscana são chamados de Super-Toscanos.

CATEGORIAS ESPECIAIS

Essas categorias não tem relação com qualidade, mas apenas com uma característica específica que diferencia determinados vinhos de outros.

  • Novello (Jovem) – Vinho semelhante ao Beaujolais Nouveau, vinificado em pelo 30% através de maceração carbônica e com no mínimo 11 GL de teor alcoólico e não mais que 10 g de açúcar residual. Só pode ser vendido após 06 de novembro e deve ser engarrafado em 31 de dezembro do ano da colheita.
  • Vecchio (Velho) – Vinho que envelhece o mínimo três anos antes da comercialização.
  • Classico – Uma denominação que diferencia algumas DOC em níveis de qualidade, por exemplo Chianti e Chianti Classico.
  • Superiore – Vinho que envelhece no mínimo um ano antes da comercialização.
  • Riserva (Reserva) – Vinho que envelhece no mínimo três a cinco anos antes da comercialização.
  • Spumante (Espumante) – Vinho espumante, como o Champagne, elaborado tanto pelo método Charmat ou por método Champenoise.
  • Frizzante (Frizante) – Vinho ligeiramente espumante, como o vinho verde português.
  • Secco, Abbocado , Amabile e Dolce – Definem o teor de açúcar do vinho que pode ser: seco, práticamente sem açúcar (secco); meio seco ou demi-sec, com teores médios de açúcar (abbocado e amabile); francamente doce (dolce).
  • Liquoroso (Licoroso) – Vinho fortificado ou naturalmente forte.
  • Passito (Passificado) – Vinho elaborado de uvas semi-desidratas (passas).
  • Ripasso (Repassado)/ – Vinho que após elaborado é deixado repousar nas borras de fermentação do Amarone, ganhando corpo, sabor e graduação.

:: Dica de 3 livros sobre vinhos

18 jun

Por RODRIGO VIDAL FERRAZ

https://rodrigovf.wordpress.com

18 de junho de 2009

Essa semana, nada de dicas de vinho, mas sim de livros!

*

julgamentoO Julgamento de Paris – Califórnia x França 1976
George M Taber
Campus – 380 páginas – R$ 65,00

Uma das mais importantes degustações do século passado – vitaminada pelo subtítulo marqueteiro – é narrada aqui por uma testemunha do evento, o então jornalista da revista Time George M. Taber. Trata-se da prova onde os vinhos americanos da Califórnia venceram clássicos franceses da Borgonha e de Bordeaux.

Taber divide a narração da prova com a história das vinícolas americanas do estado da Califórnia e a biografia de seus fundadores. Indicado para entender a ascensão do vinho americano no mercado mundial.

*

vinho-guerraVinho & Guerra
Petie Kladstrup e Don Kladstrup
Editora Jorge Zahar – 255 páginas – R$32,00

Reportagem de fôlego, mostra como o vinho é parte importante da identidade nacional francesa e como iniciativas individuais e coletivas protegeram este patrimônio gaulês.

O livro recupera a presença nazista no interior da França e mostra os estratagemas dos produtores e pequenos viticultores para impedir que os invasores alemães botassem as mãos na riqueza de suas adegas. Indicado para entender que o vinho faz parte da cultura de um povo (e para quem gosta de histórias do período da guerra).

*

larousse_vinhoLarousse do Vinho
Editora Larousse do Brasil
384 páginas – R$ 119,00

Adaptação do original francês. Um clássico da enciclopédia gastronômica da bebida. Os consultores nacionais são especialistas do mais alto calibre. O enólogo Michel Rolland assina o prefácio. A obra tem a divisão clássica deste tipo de livro mais abrangente. No início estão princípios de vinificação, tipos de uva e noções de degustação.

O restante da obra é dedicada aos principais países produtores. Claro que a França merece devido destaque, assim como o velho mundo. No final de cada região, uma lista das principais vinícolas ajudam na escolha do vinho. Indicado para quem está começando e quer se aprofundar no assunto e precisa de boa obra de referência.

:: Anedotas sobre vinho

11 jun

Por RODRIGO VIDAL FERRAZ

https://rodrigovf.wordpress.com

11 de junho de 2009

Nada de dicas essa semana! Piadas sobre o vinho, só isso!

(Autores desconhecidos)

*

Em uma geladeira, o copo de vinho insultava o copo de leite:

– Ô, branquelo! Por que você não vai pegar um sol pra ficar bonitão que nem eu, hein? Sol faz bem pra saúde, cara!

O leite, quase qualhando de tão puto, respondeu:

– Olha só quem vem me falar de saúde! Logo você que ferra com a saúde de todo mundo! Ataca o fígado, causa cirrose, gastrite, embriaga, mata pessoas no trânsito…

– Tá certo, tá certo! – disse o copo de vinho, impaciente – Tudo isso é verdade, mas tem um pequeno detalhe que você não pode contestar…

– Ah, é? Posso saber o quê?

– A minha mãe é uma uva… já a sua…

*

Numa pequena cidade do interior o padre recebe a visita de um vigário de uma outra paróquia. Após um farto almoço, começam a conversar.

– As coisas por aqui não parecem ser muito agitadas – comenta o padre visitante.

– Você tem toda a razão, meu caro! A vida aqui é muito monótona, rosário, vinho, rosário, vinho… assim a gente vai levando!

Faz uma pequena pausa e logo dá um berro em direção à cozinha:

– Rosário! Traz mais vinho!

*

O bêbado chegou no bar e falou para o garçom:

– O cara, me vê logo um copo de vinho.

– Vinho branco ou vinho tinto senhor ?

E o velho respondeu:

– Tanto faz eu sou cego!

*

P: Você já ouviu falar do cara que morreu por causa de um vinho branco ?

R: Ele foi atravessar a rua e desviou do carro vermelho, mas aí vinho branco.

:: Les choix de François Nolet (SAQ)

4 jun

FRANÇOIS NOLET
SAQ SÉLECTION SAINT-HUBERT
5970, boulevard Cousineau, Saint-Hubert

http://www.saq.com

Œuvrant au sein de la SAQ depuis 1990, François Nolet y cultive sa passion pour le vin, bien sûr, mais aussi celle de l’enseignement. «À titre d’animateur des cours Les Connaisseurs, explique-t-il, je partage avec la clientèle mon amour pour les vins et les voyages. Cet échange est un grand bonheur pour moi!» C’est avec le même enthousiasme qu’il nous présente une sélection de ses vins favoris.

vinhos

:: Harmonização de Vinhos e Alimentos

28 maio

Por ACADEMIA DO VINHO

http://www.academiadovinho.com.br

28 de maio de 2009

Há séculos o vinho é o acompanhante ideal para as refeições. Na Europa, as famílias produziam seu vinho caseiro a partir de pequenos vinhedos em suas terras, tendo sempre sua companhia à mesa.

Com a evolução da vinicultura, uma grande diversidade de vinhos se tornou disponível, a partir de diversas variedades de uva cultivadas, de métodos diferenciados de elaboração e da importação de vinhos de outras regiões.

O conceito de Enogastronomia envolve a escolha pormenorizada de vinhos, a partir de suas características gustativas, para acompanhar pratos elaborados das culinárias tradicional, regional e criativa, ressaltando suas características e criando um conjunto sensorial de grande prazer.

As sugestões aqui apresentadas não constituem regras absolutas, mas apenas uma diretriz para suas experiências pessoais de combinação de vinhos e pratos. A preferência pessoal e a criatividade certamente o levarão a novas descobertas nessa apaixonante e rica área de pesquisa e divertimento.

Antes das Refeições – Aperitivo

. Espumante Brut
Champagne, Sekt, Cava, Vin Mousseux, Prosecco, Blanquete de Limoux, etc.

. Vermute seco
Martini, etc

. Fortificado seco
Jerez (Espanha), Porto branco seco (Portugal)

. Vinho branco seco
Chardonnay, Sauvignon Blanc, Pinot Grigio

Na Sobremesa

. Vinho Branco Doce de Qualidade
Sauternes (França) , Alsace (Vendange Tardive e Séletion de Grains Nobles), Tokay (Hungria) e os alemães com os predicados (“mit Predikat”): Auslese, Beerenauslese, Trockenbeerenauslese e Eiswein

. Vinho Fortificado Demi-sec ou doce
Porto (Ruby, Tawny, LBV, Vintage, etc.), Jerez (Amoroso, Oloroso ou Cream); Madeira (Verdelho, Boal ou Malmsey), Moscatel de Setúbal, Banyuls, Moscato d`Asti, Banyuls, Marsala, Málaga (Lagrima Christi), etc.

. Espumante Demi-sec ou doce
Asti (italiano), Cava (espanhol), Champagne Doux (francês), Sekt Suß (alemão), Blanquete de Limoux (francês) e outros espumantes

Como Digestivo

. Destilados de uva
Cognac, Armagnac e Marc (franceses), Bagaceira (portuguesa), Grapa ou Graspa(italiana), etc.Peixes e Frutos do mar

Peixes e Frutos do mar

. Grelhados ou em molho leve ou crus (sushi)
Espumante brut ou demi-sec. Vinho branco seco frutado jovem ou levemente maduro. Evitar os vinhos brancos com presença de madeira (fermentados ou maturados em barrica), exceto no caso de peixes defumados.

. Em molhos fortes
Branco maduro de boa estrutura. Rosé seco de qualidade. Tinto jovem de leve ou médio corpo

. Bacalhau
Tinto jovem ou de médio corpo. Branco maduro, de bom corpo

. Anchova, atum, salmão e sardinha
Tinto jovem ou de médio corpo. Branco maduro. Rosé de boa estrutura

Carnes Brancas

. Grelhadas ou em molho leve
Espumante brut. Branco seco de boa estrutura, jovem ou maduro. Tinto jovem ou de médio corpo

. Grelhadas em molho forte
Tinto maduro de médio corpo a robusto

. Caças de penas, Pato, Coq au Vin
Tinto maduro de médio corpo a robusto

. Peru
Tinto leve ou de médio corpo. Branco seco de boa estrutura

. Foie Gras
Branco doce de alto nível(Sauternes, Tokay, etc.). Fortificado doce (Porto Vintage, LBV, Colheita, etc.). Espumante de qualidade (Champagne Milesimé, Espumante Tradicional, etc.)

Carnes Vermelhas

. Grelhadas ou em molho leve
Espumante brut. Tinto jovem leve ou de médio corpo

. Em molho forte
Tinto maduro de médio corpo a robusto

. Caças de pêlo
Tinto maduro robusto

Massas

. Em molho leve ou branco
Espumante brut. Branco jovem ou maduro. Tinto jovem leve ou de médio corpo

. Em molho condimentado ou vermelho
Espumante brut de boa estrutura. Tinto maduro de médio corpo a robusto

Queijos

. Fresco de massa mole (Frescal, Ricota, Requeijão)
Branco ou tinto jovem e leve

. Fresco de massa filada (Mozzarela)
Branco ou tinto jovem e leve

. Maturado de massa mole (Brie, Camambert e Coulommiers)
Branco maduro. Tinto jovem a maduro encorpado

. Maturado de massa filada (Provolone)
Branco maduro. Tinto jovem ou pouco envelhecido

. Maturado de massa cozida (Emmental, Gouda, Prato, Tilsit)
Tinto maduro de bom corpo

. Maturado de massa semidura

(Roquefort, Gorgonzola, Stilton, Danablue)
Tinto maduro robusto. Branco doce superior. Fortificado doce

(Parmesão, Pecorino)
Tinto maduro robusto. Fortificado

Observação
Espumantes de qualidade, em especial os Champagnes, combinam com todos os tipos de queijo.

*

DICA DA SEMANA:

00285585_g
Bonacosta Masi
Valpolicella Classico
2007

Pays : Italie
Région : Vénétie
Appellation : Valpolicella Classico
Pourcentage d’alcool : 12 %
Prix régulier : 16,95 CAD
Catégorie : Vin rouge
Nature : Vin tranquille
Format : 750 ML

*

:: Bebe-se vinho neste planeta

14 maio

Por RODRIGO VIDAL FERRAZ

https://rodrigovf.wordpress.com

14 de maio de 2009

Dando continuidade ao assunto preferido das quintas-feiras, vamos ver um pouco de estatisticas sobre o nosso amigo vinho. Fonte: Wikipedia.

*

Wine production by country 2006

Wine production by country 2006

*

Top ten wine exporting countries in 2006

Top ten wine exporting countries in 2006

*

2006 export market shares

2006 export market shares

*

Annual wine consumption

wine uses

*

Curiosidades

As melhores vinhas, plantações de uva, para a produção de vinhos de qualidade crescem quase exclusivamente nas latitudes entre os 30º e 40ºN e entre os 30/40º Sul. As vinhas mais a Sul pertencem à Nova Zelândia, perto do paralelo 45. Isso porque nessas regiões as condições climáticas oferecem a quantidade perfeita de sol e chuva permitindo um bom amadurecimento da uva com os teores ideais de água e açúcar. Esse equilibrio somado à qualidade da vinha e do solo (terroir) é que torna o vinho melhor que em outros lugares do mundo.

*

DICA DA SEMANA:

00155051_g

Campofiorin Masi Veronese
2006

Pays : Italie
Région : Vénétie
Appellation : Veronese
Pourcentage d’alcool : 12.5 %
Prix régulier : 19,75 CAD
Catégorie : Vin rouge
Nature : Vin tranquille
Format : 750 ML

*

:: O vinho e a Intenet

7 maio

Por GUILHERME CRUZ

https://rodrigovf.wordpress.com

7 de maio de 2009

Quinta-feira é dia de vinho! Afinal, amanhã é sexta!

. para ler os outros textos sobre vinhos, clique aqui .

“Caro amigo Vidal,

Além de beber o vinho, outro grande prazer que tenho todos os dias é aumentar o meu conhecimento sobre o mundo do vinho.  As oportunidades são muitas, entre amigos, em revistas, livros, etc… mas uma maneira que está fazendo parte do meu cotidiano é ouvir todas as manhãs o Renato Machado na Radio CBN pela Internet.

Renato Machado é um grande conhecedor de vinhos e também dos prazeres da vida. É editor chefe e apresentador do programa “Bom dia Brasil” na Rede Globo, parceiro de Claude de Troigrois no programa “Menu Confiança”, onde faz comentários sobre a harmonização de vinhos com a culinária preparada pelo Chef Claude de Troigrois.

É também o ancora substituto no Jornal Nacional e Jornal da Globo, e faz uma coluna diária na Radio CBN, sobre harmonização de vinhos e comidas, de acordo com perguntas de ouvintes, apresentadas na voz do simpático Carlos Alberto Sardenberg. De segunda a sexta, por dois ou três minutos, coloco o fone de ouvido e me desligo do mundo, não faço mais nada, fecho os olhos e deixo a voz passar por mim.

Existe também o arquivo com os comentários anteriores, onde você pode encontrar as respostas das perguntas que já foram feitas, como por exemplo, qual vinho é o ideal para uma feijoada, bizarro, mas vale a pena ouvir.

Dê a você mesmo mais este prazer todos os dias!”

*

Em tempo…

DICA DA SEMANA:

pknt

Carmenère PKNT
Terraustral
2008
Pays : Chili
Pourcentage d’alcool : 13.5 %
Prix régulier : 12,75 CAD
Catégorie : Vin rouge
Nature : Vin tranquille
Format : 750 ML

*