Arquivo | Humor RSS feed for this section

:: Trocadilho

3 maio

Anúncios

:: A ressaca da partida

20 abr

Imigrante sofre, se diverte, mas sofre…

Nada que muda sua vida drasticamente, mas o Imigra acaba ficando mais cascudo em alguns sentidos, bom, falo por mim, mas acho que como Imigra a gente começa a aceitar melhor as perdas e certas mudanças.

Conversando com um outro Imigra, que tambem esta em fase de mudança, consegui fazer uma analogia, besta, mas que tem muito a ver com a fase que vivemos neste momento, segue um trecho do email que eu mandei para meu amigo Imigra:

“Vocês estao na fase final, no ultimo gomo da bateria, na resguala, no fubazinho, na ventoinha, hahaha

tipo quando vc pede a conta no restaurante:

vc ja comeu, ja bebeu, ja riu e se divertiu…

(eu ainda estou nesta fase)

ai vc pede a conta e fica esperando, nao tem muito o que fazer, no maximo chupar uma balinha ou ir ao banheiro

ou talvez brincar com o fundo do cafe, beber mais um gole d’agua, ou seja, nada de interessante, so matando tempo

nem assunto tem direito, ja falou de tudo, ja riu demais…

vc esta cansado e quer ir para casa dormir, foda-se o resto, amanha vc pensa em tudo

ai vc fica ali, esperando, a toalha meio borrada, migalhas por toda parte, o copo de vinho meio ensebado

vc ja esta fora daquilo tudo, a noite acabou, vc sabe disso, mas vc ainda nao pode partir, tem de esperar a CONTA

(essa é a fase que vcs estao)

ai chega a dolorosa, vc paga, se levanta e vasa

ainda com o gostinho bom da sobremesa na boca e com as boas lembranças de uma noite maravilhosa

(essa é a fase dentro do aviao)

ai meu amigo, vem a ressaca, vc acorda e ve o prejuizo

depende de quanto vc bebeu, de quanto vc gastou, se vc bebeu agua ou nao

pode durar 2 horas ou 3 dias… a gente nunca sabe

(essa é a fase quando vc chega e acorda em SP pela primeira vez, ouvindo os busoes na avenida)

mas depois passa a rebordosa e a vida segue até a proxima noitada

e a gente continua a dar risada!”

é, so rindo mesmo…

:: Fábula: O Nascer do Capitalismo

22 mar

Texto de Millôr Fernandes

Um homem tinha uma fazenda perto de um rio. Certo dia o rio começou a subir e ele percebeu que sua fazenda ia ficar submersa. Transferiu toda sua família e todo seu gado e todos seus utensílios e móveis para o alto da montanha mais próxima. Havia, na sua fazenda, exatamente 284 quilômetros de cerca de arame farpado. Era um arame de sete farpas por metro, num total de sete mil farpas por quilômetro e, portanto, toda cerca somava 1.988.000 farpas. O homem arranjou um empregado, que, sem comer nem dormir, colocou em cada uma dessas farpas um pedacinho de carne, uma isca qualquer. Quando terminou, mal teve tempo de subir a montanha. Veio o dilúvio.

Durante noventa e três horas choveu ininterruptamente. Durante noventa e seis horas o rio esteve três metros acima da cerca. Mas logo as águas cederam, e rapidamente o rio voltou ao normal. O homem desceu e examinou a cerca. Encontrou, maravilhado, um peixe pendente de cada farpa, exceto três. Ou seja, um total de 1.987.997 peixes. Havia tainhas, e havia robalos, corvinas, namorados, galos e muitas outras espécies que ele nunca vira.

Cada peixe pesava, em média, duzentas e cinqüenta gramas, de modo que o homem tinha um total de 496.099.250 gramas de peixe fresco, ou seja, 496.999 quilos de peixe. Isso tudo, vendido a 200 cruzeiros o quilo, vocês façam a conta e Ah, naturalmente o empregado foi despedido porque colocou mal as iscas nas três farpas que falharam.

:: A verdadeira face da sexta-feira

16 mar

a sede…

:: O Robin é um vacilinho mesmo…

15 mar

:: Fábula: Os Deveres da Hospedagem

12 mar

Texto de Millôr Fernandes

Um moço bem moço mas já bem brasileiro soou um berrador na porta de um velho vizinho do Pantanal pra tomar umas e outras. O velho serviu uma cachaça, mas se lamentou: “Infelizmente não tenho nada pra fazer uns petiscos pra acompanhar essa bebidinha.” “Não seja por isso”, disse o moço, “abatemos meu cavalo.” “Que é isso?”, disse o velho. “Aqui ninguém pode viver sem montaria.” “Eu monto naquilo ali”, disse o moço apontando um franguinho no quintal. “Eu bem que lhe oferecia meu franguinho”, disse o velho entendendo, “mas não tenho com que fazer fogo.” Não seja por isso”, disse o moço tirando o casaco, “queimamos meu gibão de couro.” “E depois como é que você ia se proteger do vento?”. “Ora”, respondeu o moço, “eu uso os galhos daquela cerca ou queimo as traves de madeira do seu barraco.”

MORAL: VOCÊ TEM QUE LEVAR VANTAGEM EM TUDO.

:: A verdadeira face da segunda-feira…

12 mar

a impaciência…

:: A verdade sobre o chantilly

10 mar

“Chantilly” em português (?), “whipped cream” em inglês, “crème fouettée” em francês e “crema batida” em espanhol.

Em português nós mascaramos a verdade com esse nome pomposo “chantilly”, veja só a realidade:

Em inglês: whipped significa açoitado, batido.

Em francês: fouettée significa batida, chicoteada (creme é feminino em francês).

E em espanhol,  o nome já diz, batida (também é feminino)!

O creme foi batido, açoitado, chicoteado… quanta maldade neste mundo… veja aqui a prova:

:: Conselho precioso

9 mar

Campanha contra o desperdício:

:: Grande Marquinhos!

9 mar

Por Antonio Prata

No último mês, passei por uma experiência interessante: não bebi. Nada. Trinta dias, de cabo a rabo, em que as únicas drogas a correr por minhas veias foram a fenilalanina da Coca-light e o pozinho do Miojo. Ok, talvez, se eu tivesse consultado um endocrinologista, ele me dissesse que era mais saudável afastar-me da fenilalanina e do Miojo do que da cerveja, mas como não conheço nenhum endocrinologista e queria era descobrir como seriam quatro semanas preso a um cérebro 100% sóbrio, 100% do tempo, o projeto foi a abstinência alcoólica.

Não passava um período tão longo sem beber desde os quinze anos, quando, na festa de debutante da Lizandra, tomei meu primeiro chope. E logo o segundo, o terceiro, o quarto – no quinto tentei agarrar a Lizandra, no sétimo abracei a privada.

Não posso dizer que aquele tenha sido meu último excesso. Houve, dos quinze anos para cá, outras noites bambas, em que soube por minhas próprias pernas que a Terra não era plana e fiz algumas besteiras das quais me arrependo: tentei beijar mulheres que só haviam me perguntando as horas, acordei ex-namoradas com SMSs enviados de mesas de bar – tipo, quarta-feira, 02:46 AM – resolvi assar uma paleta de cordeiro ou criar uma receita de chilli con carne, pouco antes do sol nascer. Acontece.

Na maior parte do tempo, contudo, pude apreciar os efeitos do álcool sem grande prejuízo moral ou físico, e sou grato à natureza por ter nos dado esse brinquedo. Para começo de conversa, não fosse ele e eu provavelmente seria virgem até hoje. (Ou você acha que eu teria coragem de ficar pelado diante de uma garota, no auge da minha adolescência, completamente sóbrio? Na boa, só um psicopata é capaz de tamanha frieza.)

Agradeço à bebida, sobretudo, pela forma como ela facilita as relações sociais. Nesses trinta dias a seco, fui a um lançamento de livro e duas festas. Descobri como é difícil, sem o auxílio glorioso de duas doses, estabelecer uma conversa minimamente sustentável com gente com quem você não tem intimidade. Interagir socialmente sem álcool é como acender a churrasqueira sem álcool: o papo não pega, você tem que ficar assoprando e abanando a brasa, pra ver se a coisa esquenta. Não esquenta. E por que? Porque a lucidez é maligna.

Sóbrio, você tem o tempo todo a consciência de que aquela conversa é só fachada, de que nem você nem a pessoa diante de si têm interesse em saber nada um do outro, de que só estão perguntando como está o trabalho e se têm visto a Juliana ou o Marquinhos (Marquinhos? Você não se lembra de nenhum Marquinhos…) porque estudaram juntos em 1993 ou calharam de estar na mesma praia, em Ubatuba, em algum réveillon do século XX. E o que o álcool faz, na conversa? O mesmo que no carvão: cria chama sem calor, produz interesse genuíno onde, em sua ausência, haveria descaso. O cara te explica que se formou em veterinária e trabalha com zebu, em Uberlândia, você diz, “Zebu, genial!”, e começa a fazer perguntas. Quando vê, estão conversando animadamente sobre a corcova do boi, e você fica felicíssimo ao descobrir que é dali que vem o cupim, e que a carne chama cupim porque o calombo parece um cupinzeiro.

Dez minutos depois, está convencido de que o sujeito é uma pessoa maravilhosa, que vocês têm que se ver mais, talvez até re-alugar a casa de Ubatuba para o próximo réveillon. Vocês trocam telefones e e-mails, dizem que se verão novamente em breve, e farão um cupim com manteiga, no alumínio, ou uma paleta de cordeiro. Você fala pra ele chamar a Juliana, ele diz que levará também o Marquinhos, que ficará feliz em saber do encontro. (Quem diabos s erá o Marquinhos, meu Deus?!).

É claro que nada disso acontecerá. Toda aquela animação só existiu porque estavam meio bêbados, mas e daí? Pelo menos se divertiram, durante cinco ou dez minutos, batendo um papo numa varanda ou na fila do banheiro. No final, a vida é isso: talvez haja meia dúzia de momentos retumbantes, um podium, os braços de algumas mulheres, uns aplausos, mas 99% do tempo você estará numa varanda ou na fila do banheiro, conversando com alguém com quem não escolheu conversar. Se não soubermos extrair graça desses momentos, vamos do berço ao túmulo de saco-cheio.

Nesta altura do texto, ouço uma voz distante. Não sei se é minha mãe, minha mulher, meu psicanalista ou a Organização Mundial da Saúde: “mas precisa necessariamente de álcool, para se divertir?”. Coço a cabeça. Deve haver pessoas que se sentem absolutamente confortáveis em seus próprios corpos, todo o tempo, e são capazes de falar sobre zebus e se despir diante de desconhecidas sem nenhuma ajuda do etanol. Dalai Lama talvez consiga. Sr. Myiagi, quem sabe? Eu não. Eu preciso das duas doses dessa substância que algum ancestral iluminado inventou, num momento de lucidez – talvez seu último -, ao fermentar trigo, batata, uva, mandioca ou o que estivesse à mão e, num ato de indômita curiosidade, beber o líquido resultante.

Claro, é bom ter sempre em mente a lição adaptada da sacola da padaria: beber bem para beber sempre. (Por “bem”, entenda: com parcimônia). Por isso um mês à seco. Por isso algumas noites por semana, em casa, só na Coca-light, assistindo um seriado ou lendo um livro. Para que aos 78 eu ainda possa falar empolgado, numa varanda ou na fila do banheiro: “Zebu, genial!” e mande abraço pro Marquinhos – grande Marquinhos! -, quem quer que ele seja.